O Professor Doutor Diogo Freitas do Amaral faleceu no passado dia 3 de Outubro e a Rede Europeia de Sítios da Paz na sua primeira reunião à escala europeia após a sua morte decidiu por unanimidade atribuir-lhe o título de Membro Honorário da Associação, a título póstumo.

O professor Doutor Diogo Freitas do Amaral foi Licenciado e Doutor em Direito, especializado em Direito Administrativo e Ciência Política pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, e Professor Catedrático da Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa e foi também autor de vários livros.

Em 1974, alguns meses após a Revolução dos Cravos, foi um dos Fundadores e Presidente do então Centro Democrático e Social (CDS), um partido de direita que liderou até 1985, e novamente de 1988 a 1991. Foi deputado à Assembleia da República de 1975 a 1983, e novamente em 1992 e 1993. Foi também membro do Conselho do Estado entre 1974 e 1982. Nas eleições parlamentares de 1979 e 1980, a Aliança Democrática (da qual o CDS fazia parte) conquistou a maioria e formou governo, no qual foi Vice-Primeiro Ministro e Ministro dos Negócios Estrangeiros em 1980 e Vice-Primeiro Ministro e Ministro da Defesa entre 1981 e 1983. Após a morte de Francisco Sá Carneiro, Freitas do Amaral foi primeiro-ministro interino por um curto período entre 1980 e 1981. Entre 1981 e 1982, foi Presidente do Partido Popular Europeu. Em 1986 candidatou-se à Presidência da República. Apoiado pelo seu Partido e pelo Partido Social-Democrata, foi o candidato mais votado na primeira volta dessas eleições, mas perdeu na segunda volta para o candidato Mário Soares, por apenas cerca de 150.000 votos. Foi Presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas em 1995 e 1996.

O Professor Doutor Diogo Freitas do Amaral foi um entusiástico apoiante do projecto de criação da Rede Europeia de Sítios da Paz desde o seu início e posteriormente na sua fase de desenvolvimento e alargamento:

– Em Dezembro de 2007 foi o principal orador da 1ª. Conferência sobre a Paz organizada em Évora Monte (Portugal) pela Liga dos Amigos do Castelo de Évora Monte e na qual participou uma delegação da Liga dos Amigos do Castelo de Hubertusburg (Alemanha) e que constituiu o primeiro passo para a constituição da ENPP;

– Nos anos de 2008 e 2009, apoiou e aconselhou a elaboração dos princípios gerais e objectivos específicos da Rede os quais foram a base da elaboração dos Estatutos da Rede;

– Em 28 de Maio de 2010 participou na cerimónia de constituição e escritura pública da Associação durante a qual proferiu uma importante conferência sobre a cultura de paz no mundo, a importância dos Tratados de paz e da sua memória histórica;

– Nos anos seguintes, acompanhou de perto o desenvolvimento da Rede e o seu alargamento a outros locais e países e só os problemas de saúde que entretanto já o apoquentavam impediram de participar mais activamente nas iniciativas públicas da Associação;

– No início de 2018, ao ter conhecimento do relatório altamente negativo do “expert” nomeado pelo Conselho da Europa sobre a Places of Peace Route, elaborou por iniciativa própria e sem qualquer custo para a Associação um Parecer sobre esse relatório e usou a sua influência pessoal junto do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal, acções que desempenharam um papel preponderante na decisão favorável à Rota tomada na reunião do Governo do EPA das Rotas Culturais de 18 e 19 Abril 2018.