A ENPP e os seus parceiros em 9 Estados-Membros da União Europeia têm vindo a preparar desde há alguns meses uma candidatura dos sítios da Europa onde foram assinados Tratados de Paz à Marca do Património Europeu.

A Marca do Património Europeu foi instituída pela Comissão Europeia e pelo Parlamento Europeu em 2011 e tem por objetivos reforçar o sentimento de pertença à União Europeia por parte dos cidadãos europeus, em particular dos jovens, com base nos valores e elementos comuns da história e do património cultural da Europa, e na valorização da diversidade nacional e regional, e em promover a compreensão mútua e o diálogo intercultural.

A Marca é atribuída através de uma selecção europeia que se realiza de 2 em 2 anos tendo até ao momento distinguindo cerca de 50 sítios Europeus,  encontrando-se presentemente aberto o período de selecção relativo ao ano de 2021.

A maioria dos sítios previstos para integrar a candidatura são geridos por membros da ENPP e, nos casos em que tal não acontece, os membros locais da Associação têm vindo a estabelecer acordos de cooperação com as entidades gestoras desses sítios que lhes permitem participar de forma activa quer na preparação da candidatura quer na organização e gestão dos planos de desenvolvimento da Marca nesses sítios.

Em Trencin , Eslováquia, foi assinado em 15 de Outubro passado, um acordo de cooperação entre a Associação Trencin Cidade Europeia (TREUM) dirigida por Janka Fabová que é também membro da Direcção da ENPP e o Museu de Trencin, dirigido por Peter Martinisko,  entidade gestora do Castelo de Trencin, o local onde em 24 de Agosto de 1335 foi assinado o tratado percursor dos Acordos de Visigrado (na foto).

Este acordo garante a integração do Castelo de Trencin na candidatura à Marca do Património Europeu bem como estabelece os princípios e regras que orientarão as actividades a realizar neste sítio, caso a a Marca lhe venha a ser atribuída.